Importância

A IMPORTÂNCIA DOS FESTIVAIS PARA O CINEMA NACIONAL E PARA O TURISMO DE UMA CIDADE.

O público brasileiro que não frequenta os festivais não conhece seu próprio cinema. Quando não se valoriza por meritocracia, somos levados a assistir tremendas injustiças. Quando o justo escolhe fechar os olhos, os maus caracteres dominam. A mídia celebra bilheterias exorbitantes para obras horrendas, enquanto deixam ao relento os melhores trabalhos de grandes cineastas injustamente anônimos. O público preguiçoso, que corre para defender confortavelmente sentado qualquer ação midiática, sem nem ao menos saber ao certo o que defende, mas nada faz entre uma novela e outra, afirma equivocadamente que nosso cinema é ruim.

“SEM FORMAR EM LONGO PRAZO UM PÚBLICO MINIMAMENTE INTERESSADO E CRITERIOSO, NÃO TEREMOS UMA INDÚSTRIA DE CINEMA DE NÍVEL COMPETITIVO”.

Fazer cinema no Brasil é como tentar subir o Himalaia sem equipamento.

Precisamos fazer bons filmes, com roteiros de qualidade.

A maior parte do público que enche as salas hoje não faz a mais remota ideia do que seja cinema, pois o reconhece apenas como aquele divertimento rápido, colorido e barulhento, que os entretém entre o atender de um celular e a última pipoca mastigada. Eles não vão à sala escura para conhecer personagens potencialmente interessantes. Aquelas produções que conquistam bilheterias monstruosas, devido à extensa divulgação, não incitam nenhuma forma de atitude em quem assiste. Exatamente o oposto, sendo completamente, terrivelmente, inofensivas. O pior tipo de estímulo que um filme pode incitar em seu público: a indiferença.

O cinema nacional precisa de boas ideias e roteiristas competentes que as transportem para as páginas, não de grandes orçamentos.

E, mais que isso, o cinema nacional precisa formar um público qualitativo, que valorize esta Arte e conscientemente antecipe a estreia do novo filme do cineasta x ou y.

Lixo entregue em grande quantidade apenas fede.

Os festivais cinematográficos são um importante passo para a divulgação do bom cinema brasileiro e também uma forma para divulgar uma cidade como marketing cultural e turístico.

Um exemplo desta premissa é a cidade de Gramado, cujo festival tornou-se uma marca de sucesso mundial.

Quem nunca ouviu falar no Festival de Gramado?

Desde o início da sua história, Gramado se preocupou com a construção da sua MARCA. Os antigos moradores da cidade contam que os primeiros habitantes do município queriam apenas ser cordiais e hospitaleiros com os que pela cidade passavam. Queriam que os turistas daquela época saíssem felizes e satisfeitos com o que por aqui encontravam.

É observado que essa cultura foi tornando-se cada vez mais forte entre os gramadenses. O município desenvolvia-se e a preocupação com os seus clientes (turistas) crescia cada vez mais.

Gramado foi melhorando a sua infraestrutura, qualificando seus serviços, criando eventos, valorizando suas belezas naturais e, em consequência disso, foi criando a sua marca.

Promovendo seu nome, Gramado foi se destacando no setor turístico.

Segundo o site oficial da Prefeitura, em números, pode-se relatar que a economia está baseada em 90% da receita proveniente da atividade turística. Além de seu destino para passeio, Gramado está crescendo em relação ao turismo de negócios.

A realização do CINE FEST RN se propõe a seguir esta premissa: consolidar a cidade do Natal e o Rio Grande do Norte como um destino cultural.